segunda-feira, 22 de junho de 2015

a-ver-livros: das mãos

Das mãos se faz
o sonho
o fruto mais desejado
a flor, a casa
a viagem 
que Adamastor algum afundará

das mãos a água
o matar a sede 
o afago, o aceno.
Das mãos o sabor infindo
do futuro 
temperado a saudade
e uma pitada de pano

das mãos o livro
o aperto
leves, largas
quentes, amorosas 
como as que embalam 
o caminho
rasgadas nas rosas que não 
chegaram a abrir-se

das mãos, 
enfim, 
a despedida, espero,
se alguém houver a quem 

Ana Almeida



Sem comentários:

Publicar um comentário