terça-feira, 23 de junho de 2015

palpitação


o corpo expõe-se à verdade
pela água
depois de mergulhado
suspira vir à tona
não sem antes revolver
o negrume entre a lama
na nudez própria do fôlego
a quem os olhos
descreveram a órbita
da morte
quer-se o movimento
trémulo sobre a corrente
palpitação da voz
límpida que eclode à pele.

Helder Magalhães


Ed Freeman Photography

Sem comentários:

Publicar um comentário