terça-feira, 23 de junho de 2015

É do borogodó: a mesma espécie

As águas do rio banham a tua, a minha aldeia.
A mesma poeira de terra, mesmas solas gastas dos sapatos
herança de nossos pais.
Não há nada diferente no pão
nem na falta.
E até a pele ressequida de frio e sol
tem mesma sangria desatada de histórias.


Embora digam que exista um risco invisível que nos separa,
somos gente da mesma espécie de esquecimento.

Penélope Martins

 

Sem comentários:

Publicar um comentário