sábado, 7 de dezembro de 2013

Será mesmo possível um dia?

Encontrado na página Improbables Bibliothèques, 
Improbables Librairies. A não perder por nada! 

À atenção do Rio de Janeiro - Evandro von Sydow lança livro

Assim como, creio, o filme de animação australiano Mary & Max foi o primeiro a “tematizar” diretamente a Síndrome de Asperger, digo, com alguma pretensão, que o despretensioso livrinho de poemas Limeriques para o Dante é o primeiro livro de poesias para crianças e adultos escrito no Ingá que “tematiza” a síndrome de West.

O livro é, de certo modo, uma biografia nada ortodoxa e sobretudo não-autorizada do Dante.

Dante é um lindo que em 19/12/2013 completa 5 anos. Aos 4 meses de idade, foi diagnosticado com síndrome de West. Hoje acho que o que ele tem é autismo mesmo, decorrente da SW.

O dia com uma criança com SW tem lá seus momentos de pânico (dá uma olhada nos limeriques 1,5, 10, 16), mas conviver com o Dante é uma alegria maior do que eu esperava poder sentir. Produz perplexidades, canseiras, sorrisos, amor infinito. E, de quebra, limeriques.

O lançamento de Limeriques para o Dante será na Livraria Al-Farabi no dia 10 de dezembro, das 18 às 22 horas. Outro livro estará sendo lançado, oSonetos para Pampinea.

*Evandro von Sydow

~~...~~

se somos bichos que sejamos baixos
como os bichos da terra tão pequenos
baixezas não sonhadas neste maio
que nos faz grandes quando somos menos
humanos :: quando despidos de todos
cálculos raciocínios e ensaios
somos apenas toque e língua e cheiro
depois de amar na tarde escancarada
seu sexo escancarado sobre nós
espiar da janela deste oitavo andar
a rubra morte das espatodeias
possam elas então nos amparar
no sol das erosões no sal na carne
afinal
       nunca soubemos
                            pousar

XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

o corpo adota gestos vagarosos
quando deita-se ao lado de quem ama
o corpo anárquico se faz devoto
e repete suas falas levianas
na esperança quem sabe de reter
o que é porto o que é delta o que é chama
tudo aquilo que o faz se derreter
tudo aquilo que o brinca de criança
pois desconhece o corpo os seus limites
assassinando aquilo que o cinge
o corpo se ata ao corpo amado como
a pedra aos pés dos suicidas
assim (tchau mundo) o corpo se deixa ir
e o resto é papo para boi dormir

XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

beijar teus seios como se em queda
o tempo exíguo para a exatidão
que não esteja errado a ponto de
me afastares a cabeça pro lado
e que não seja certo a ponto do
suspiro que acompanha o saciar
beijar teus seios como se em queda
essa queda dos sonhos :: só não quero
acordar : deixa eu ficar vagabundo
nada mais a fazer nesta manhã
senão beijar estes mocinhos graves
que impenetráveis me contemplam graves
nada a fazer :: beijá-los e beijá-los
lábios e língua silentes vassalos

Alguns limeriques: 

Menino mais guapito do Ingá.
Eu me pergunto mesmo se haverá
outro tão belo no mundo.
Não sei. Medito profundo.
Só o sábio de Sabará saberá.

XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

Talvez se morássemos no Peru
tudo mais fácil, sem tanto rebu.
Mas que ideia mais avessa
nem passa pela cabeça
ir com ele pra esse tal de Peru.

 XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

Talvez se nós morássemos na Grécia
Tudo fácil, sem tanta peripécia.
Mas que ideia mais ridícula
Não se aproveita partícula.
Levar o meu deusinho para a Grécia.

XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

Era sábado o pai bem que tentou
introduzi-lo ao mundo roquenrol:
Beatles Pink Floyd e The Who
Camel Rush e Jethro Tull
Depois de ouvir direitinho, falou:
Essa música é muito bonitinha
Guitarra bateria e flautinha
Mas então aqui em casa
Ou lá na Faixa de Gaza
Não rola mais Galinha Pintadinha?

 XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

O moleque e eu temos coleção
de histórias em mil línguas :: alemão
provençal croata galês
húngaro hindi e chinês.
Se entendemos? Ora, com o coração!

Só para terminar. Alguns limeriques têm ilustrações. As do meu livro foram feitas por um amigo-colega e por alunas de 14, 15 anos.

Segue um exemplo.

O meu pequeno menino matreiro
a pouco e pouco me ocupa inteiro.
Faz da mente o seu lugar
do coração o seu lar
e da barriga faz seu travesseiro.

Snobidando: Rui Pires Cabral

Rui Pires Cabral, Curva

Acompanhe a página da Livraria Snob no Facebook. Abre brevemente, em Guimarães. Pode lá encontrar este e muitos outros textos.

Lembra-se de Christane F?


Immortalized in a cult book and film more than 30 years ago, Christiane F. is Germany's most famous heroin addict. Now 51, she still uses drugs and has written a new book about her troubled life.

She brought flowers. Standing in the doorway, Christiane Felscherinow removes dahlias, asters and sunflowers from the wrapping paper as though she's been invited to coffee. Her green eyes are carefully lined, her boots are freshly polished and she looks put-together in her plaid blouse. Only her hands seem to contradict this neat appearance. They are covered with a web of small scars, the traces of countless needle wounds.

Felscherinow is here to promote herself. Dozens of people are keen to speak with her at a meeting in the offices of Levante, a small Berlin publishing house releasing the sequel to her biography this week. The 1979 book and subsequent film, "Christiane F. -- Wir Kinder vom Bahnhof Zoo," or "Christiane F. -- We Children from Zoo Station," made her Germany's most famous heroin addict. Her story, a bestseller when it was published 35 years ago, introduced the German public for the first time to a world that remains shocking today -- one in which children living in West Berlin systematically destroyed their bodies and souls with drugs.


"Hardly anyone at the time would have believed that I would still be here today," she says. She seems lost in thought, and not triumphant in the least. Sitting on a large leather sofa, her voice sounds tense.

Felscherinow was 12 when she tried hashish for the first time. She had moved on to heroin by the time she was 13, and at 14 she was prostituting herself. An alert and intelligent child, she had moved from a village in the countryside to Berlin and its anonymity. Her mother was overwhelmed and her father was an alcoholic. Eventually the family fell apart. At 15, she saw a glimmer of hope when she started a new life in a small city, where she lived in her grandmother's strict household. But she still isn't drug-free today.

'I Can't Get Clean'

Almost five million copies of her story were sold. The book was required reading in German schools, and producer Bernd Eichinger turned it into a film. But after so many years, why is Felscherinow, now 51, telling her story again? She is seriously ill with hepatitis C, and the infection is destroying her life. Is it her aim to warn others about drugs and their devastating effects?

"No," she says, speaking with a thick Berlin accent. "No, there's no message. It was just that I wanted to make a counterstatement. There was all that junk, all the headlines!" For many newspapers, her relapses were always worth at least a few columns. "I finally wanted to describe what it was really like," she says.

Felscherinow spent three years working with the book's co-author, Sonja Vukovic, recording conversations and reconstructing memories. They are the memories of a woman who, in describing herself, says: "As a junkie, you're constantly deceiving yourself more than anyone else." They are also the memories of a person who still uses drugs regularly to escape reality, drugs that alter personality and harm the brain.

"What bothers me most of all is this Christiane F. thing," she continues. "Is she finally clean now, or not? As if there is nothing else to say about me. And I can't get clean. It's just what everyone else has always expected of me." She shakes her head emphatically and then runs her hand over her chestnut-red hair.

Her gestures are forceful and she looks muscular and slim. In this moment, little indicates that this woman's body is being decimated by pills and plenty of alcohol. She smoked two joints in the morning, she says. She has also been taking methadone for about 20 years, like 75,000 other drug addicts in Germany. Despite the methadone, she says that there are times when she throws caution to the wind and buys a few grams of heroin. This happens when she feels she can no longer cope with the stresses of the outside world.

"The doctors complain. But I do have a life, after all. And I'm not clean, just as all the others aren't clean, either," she says. "I study the faces I see on the subway every day. Everyone is trapped, somehow."

Junkie Princess

Perhaps this perspective makes it possible to endure a life like hers. At any rate, the hopes that came with being subjected to her grandmother's strict regimen at 15 remain unfulfilled. She has gone through countless withdrawals and had countless relapses. She was convicted on a drug offense and spent 10 months in a women's prison. She had several abortions and failed relationships. She dropped out of a training program in bookkeeping, spent seven years in Greece without a permanent home, contracted hepatitis C and has few friends today, although many people are all too willing to write about her when profit is involved. She no longer has a relationship with her mother, by whom she felt misunderstood.

She hears voices sometimes, she says, and she sees silent men wearing dark clothing and other evil forces in the hallway of her building. On days like that, she becomes so anxious that she leaves her apartment outside Berlin and goes to a homeless shelter. She lost custody of her son, whom she loves, when he was 12. He has been living with a foster family since then. A social worker spent three years trying to help her.

And yet, almost magically, her life has also been filled with flashes of glitz and glamour, a life in which copious amounts of champagne, money, parties and traveling have played a significant role. At 18, she had already earned about 400,000 deutsche marks in royalties from her book. She was in love with Alexander Hacke, the guitarist with the German industrial band Einstürzende Neubauten. She met David Bowie and Nina Hagen, and she also recorded her own records. When Eichinger's film about her life premiered in the United States, she traveled to Los Angeles and became a cult figure, a junkie princess.

She met the couple that owns the Diogenes publishing house in Zürich, and for three years she was a regular guest at their house, where she was treated like a foster daughter. She sat next to the late Swiss author Friedrich Dürrenmatt at dinner parties, visited director Federico Fellini in Rome and went hiking in the mountains of Sils Maria with the German humorist Vicco von Bülow (better known as "Loriot"). But there were also times when she would join the addicts at the Zürich train station. Still, her publisher friends refused to abandon her. The woman used to place a copy of every new release on her pillow in the evening.

She had many opportunities. "I did," says Felscherinow. "But the way I see it today, I always found that many things in life were boring. When I think about the past, I realize that Zürich is one of my fondest memories. I should have gotten my act together plenty of times back then."

A Balancing Act

A door opens and a tawny Chow-Chow pushes his way through the opening. Perhaps the only constant in her life is that she has always had a dog at her side. The dog stops in front of his mistress, and she laughs. "Leon wants to know how much longer this is going to take," she says, as she pulls a cigarette out of her bag. She has trouble concentrating, and she needs to conserve her energy for later when she autographs copies of her new book's "fan edition," which was expanded to include drawings and photos.
Fans? "Yes," she says. "Probably about a million."

It may seem strange, but there are fans of her uninhibited life around the world. They admire her for her perseverance, suffer along with her, tweet and post messages, test their knowledge about "Christiane F." in online tests and collect first editions of "Wir Kinder vom Bahnhof Zoo."
The fate of an unhappy girl has influenced the lives of her fans. Her story has served as a warning for many, who have shown their gratitude in letters to Felscherinow. But some have also imitated the things they read.

It is a balancing act, particularly for the young team at Levante. The publishing house has specialized in a bimonthly magazine that addresses issues related to the Middle East and the Islamic world. Now they are handling a book project for the first time, and one that is highly sensitive. While they know that the myth has to be upheld to turn the book into a financial success, they have to be careful not to idealize the drug-addicted author or her lifestyle. This would also be irresponsible to her. She already lives with the dilemma that the addiction that threatens her existence is also the most important chapter in her life. She still earns close to €2,000 ($2,720) a month in royalties from the first book and the film. She abandoned her anonymity at the time, even though the co-authors, two journalists with the German magazine Stern, warned her against going public.

Worship the High, Despise the Addict

Today, Felscherinow craves the recognition of an audience, although she has trouble coping with negative headlines. It's her drama, and one that she, both a celebrity and an addict, is constantly stoking. She makes a concerted effort to be friendly, she says. But when she feels resentful, she shouts at whomever she pleases. Sometimes she simply starts shouting, on the street or while shopping, when things don't go the way she had imagined.

The team at the publishing house tries to protect her. They are even considering a Christiane F. foundation, which would advocate for people like her. After working with her for three years, they have realized that it is unrealistic to always expect addicts to give up drugs altogether. In fact, they say, our society is hampered by an odd sense of incongruity on the issue -- many worship the high but despise the addict.


"The break is over," says Felscherinow, putting out her cigarette. Then she talks about her son, who is now 17. For the first time this afternoon, she sounds enthusiastic. He is bright, strong and friendly, she says, but most of all, he is remarkably levelheaded. She talks about him for almost half an hour, and then closes her bag.

As she leaves, she says that her son is somehow very different from his mother -- and that perhaps it's a good thing.

A entrevista é conduzida por Katja Thimm, para o Der Spiegel. Leia aqui:
http://www.spiegel.de/international/germany/christiane-f-publishes-new-book-about-her-life-on-drugs-a-926540.html

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Poema à noitinha... Eugénio e o coração habitado

Coração Habitado

Aqui estão as mãos.
São os mais belos sinais da terra.
Os anjos nascem aqui:
frescos, matinais, quase de orvalho,
de coração alegre e povoado.

Ponho nelas a minha boca,
respiro o sangue, o seu rumor branco,
aqueço-as por dentro, abandonadas
nas minhas, as pequenas mãos do mundo.

Alguns pensam que são as mãos de deus
— eu sei que são as mãos de um homem,
trémulas barcaças onde a água,
a tristeza e as quatro estações
penetram, indiferentemente.

Não lhes toquem: são amor e bondade.
Mais ainda: cheiram a madressilva.
São o primeiro homem, a primeira mulher.
E amanhece.


*Eugénio de Andrade, in Até Amanhã

Emílio Miranda, dia 6

A inspiração é sempre dada por alguém…
Como
Uma flor para cuidares.
Se sorris,
Deves à vida as alegrias
Que dizes tuas…
Nada é teu
Senão o azul do céu
E o amor
Enquanto amares.
O único poder que te sobra
De todas as vaidades
É o de viveres
Enquanto te deixares…

Emílio Miranda 

Foto: Cláudia Miranda

Parabéns, Urbano

Urbano Tavares Rodrigues faria hoje 90 anos.
Para celebrar com ele, um grupo junta-se hoje, pelas 18h30, na Livraria Leya na Buchholz, em Lisboa, para ler excertos do livro "Nenhuma Vida". 
Eu não vou poder lá estar. Mas vocês não percam, se puderem. 

O vosso final de dia será certamente melhor.



quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

E os vencedores são...


Parabéns Gina Matos, Ana Maria Brito Jorge e Emílio Miranda. Cada um dos três vai levar para casa o livro Lisboa, A Cidade Vista de Fora, 1933-1974 de Neill Lochery - uma cortesia da Editorial Presença para celebrar os 15.000 membros do grupo Livros no Facebook. 

O que se pedia era relativamente simples, responder à seguinte questão - O que faz de Lisboa uma cidade única?

E estas são as frases vencedoras, com grande mérito. Parabéns!

Gina Matos: 

Lisboa... és uma cidade única... Nas tuas fotos que parecem quadros, nos sons, nos cheiros. Em qualquer lugar teu, onde me encontre tens mil histórias a contar... desde os ferros forjados das varandas, aos carris das tuas ruas calcetadas, em que o eléctrico teima sempre em chiar... Os manjericos em Junho às janelas a enfeitar e as sardinhas assadas que nos fazem babar... O assador das castanhas, que se faz apregoar... As ruas estreitas que ao castelo vão dar... passando casarios de bairros tão teus... de noite e de dia teus encantos, fazem embalar sonhos meus... és Lisboa.

Ana Maria Brito Jorge: 

Lisboa: espera por nós... Por toda a eternidade que demorarmos a chegar, ela espera e envolve-nos com o azul límpido do Tejo ou com a neblina misteriosa dos dias mais cinzentos... E o reencontro será uma explosão de fogo de artifício sobre as curvas moldadas das colinas!...

E G Miranda:

Ser nossa a luz que irradia
a foz que se faz larga estrada
Tejo donde partem já não as naus
mas o desejo...

Consulte o livro no site da editora: http://www.presenca.pt/livro/lisboa-1933-1974/

É do borogodó: ação em prol da coronária

Corações que esperam. Corações que anseiam. Corações que matam. Corações que mordem. Corações que esfriam. Corações que … Corações que labutam. Corações que dormem. Corações que choram. Corações que reclamam. Corações que saem na rua e vivem a vida com graça, sem deixar para amanhã o que se pode fazer hoje.

Penélope Martins


a-ver-livros: viagem e Magda Carella

Flutuo na maré
há viagens que me esperam
para lá ou para cá
de mim
do sonho
de ser quem nunca fui
jamais serei
Flutuo em seco
espero um porto
chegarei a salvo

* para conhecer mais sobre a pintora italiana Magda Carella
siga o link www.artmajeur.com/pt/art-gallery/magda-carella

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Eu poético: «Entschuldigung»

Entschuldigung

tentei ser como tu
na maneira como
sorris sem estar feliz

na forma poética
como lês as instruções 
de lavagem
da camisa que me deste
outro dia

e tu hoje voltaste a assobiar
a canção 
que celebrei
no nosso primeiro
beijo

Entschuldigung...
esqueci-me que moras
aqui em casa

So sorry...
por ter deixado
de fazer dos teus olhos
meu espelho

Desculpa - 
sou eu que tenho 
um problema
de memória.

Rodrigo Ferrão

Foto: Rodrigo Ferrão

Snobidando: Cecília Meireles

Apresentação

Aqui está minha vida — esta areia tão clara 
com desenhos de andar dedicados ao vento. 

Aqui está minha voz — esta concha vazia, 
sombra de som curtindo o seu próprio lamento. 

Aqui está minha dor — este coral quebrado, 
sobrevivendo ao seu patético momento. 

Aqui está minha herança — este mar solitário, 
que de um lado era amor e, do outro, esquecimento. 

*Cecília Meireles, in 'Retrato Natural'


Acompanhe a página da Livraria Snob no Facebook. Abre brevemente, em Guimarães. Pode lá encontrar este e muitos outros textos.


«Saudades», por Marcos Foz

Saudades

Se saudades são isto que tenho
virarei pedra para que nada
se distancie de mim ou para que não o perceba,
para que não tenha que voltar a casa sozinho, depois de uma caminhada
ao fim de tarde, quando costumavas estar parada
sentada na esplanada, sorrindo.
se saudades é sentir falta daquele pedaço de luz
que rompia cabelos saltitantes na relva,
eu quero ser opaco, escuro e mudo
reflector de nulidade absorvente, para que não fiquem
reminiscência de encontros interiores feitos a dois.

Tal vocábulo singularmente lusitano, na esfera que teima em esticar
e diminuir conforme tuas lástimas e tuas alegrias,
(que antes trazias para me confessar)
faz seixo no rio afundar,
enquanto o miúdo espera-o ver dançar.
e a carne perde uma, duas e três
e o osso cai na estupidez
de não transparecer a loucura
de quem está a perder
única coisa de valor que pensa merecer
e que lhe pode valer
em tempo de guerra, quando se planta uma flor
e o chão sangra até nossos pés.

Se saudades são isto,
não devia ter aprendido agarrar o caule
esperando uma segunda mão.
Se saudades são isto,
criemos raízes entrelaçadas, mas autónomas.
É só isto, porque chuva
vem sempre, basta querer crescer.
E nisto sabe o autor que deve acabar
arranjo poético que sem maldade começou,
mas o movimento perpétuo expresso
em manhoso eterno retorno ficou.
Nenhum poema sobre saudades
pode ter fim


*Marcos Foz


Principezinho para a tarde

Encontrado na página Improbables Bibliothèques, 
Improbables Librairies. A não perder por nada! 

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Tiago na toca e os Poetas: Afonso Lopes Vieira, Tiago Bettencourt e Frederico de Brito


Saudades não as quero

Bateram fui abrir era a saudade
vinha para falar-me a teu respeito
entrou com um sorriso de maldade
depois sentou-se à beira do meu leito
e quis que eu lhe contasse só a metade
das dores que trago dentro do meu peito

Não mandes mais esta saudade
ouve os meus ais por caridade
ou eu então deixo esfriar esta paixão
amor podes mandar se for sincero
saudades isso não pois não as quero

Bateram novamente era o ciúme
e eu mal me apercebi de que batera
trazia o mesmo ódio do costume
e todas as intrigas que lhe deram
e vinha sem um pranto ou um queixume
saber o que as saudades me fizeram

Não mandes mais esta saudade,
ouve os meus ais por caridade,
ou eu então deixo esfriar esta paixão,
amor podes mandar se for sincero,
saudades isso não pois não as quero

*Afonso Lopes Vieira


MANIFESTO:

[...são os poetas que me fizeram começar a escrever. Eram no fundo os livros que tinha lá em casa e versões de fados que oiço desde que comecei a ouvir fado.Fui lendo o que tinha lá por casa. Fui roubar uns livros à biblioteca do meu pai. E depois fui marcando nos livros os vários poemas que gostava até ficarem dez. Depois mais duas ou três versões...] (Tiago Bettencourt).
NOTA: As receitas da venda do disco revertem para a associação solidária "Ajuda-me a Ajudar", por tal,se gostam,comprem o disco...
(publico o disco/livro na integra,com foto do poeta Afonso Lopes Vieira)

Emílio Miranda, dia 5

Foto: Cláudia Miranda

Ode ao Jardineiro


Eras um jardineiro
Cuidaste de muitos jardins
E agora morto
Nem uma flor
Embeleza a tua sepultura.

Que ironia! Que desperdício de talento!
Que falta de reconhecimento:
Dirias!

Mas agora que te assiste o conhecimento
De todas as coisas
Sabes
Que é apenas
A imparcialidade da vida

Cuidando de ti
Sem nenhum lamento!

Emílio Miranda 

É do borogodó: buscas, fugas e especiarias

pó estelar adocicado, sal que se esconde calado, pimenta rosa,
gengibre, abacaxi, açafrão da terra, manjericão. na caçarola borbulha
o gosto desconhecido.
Sabor inigualável momento da prova.

Penélope Martins

a-ver-livros: sol, sombra e Ian Roberts

Os pés na sombra
não aquecem
congelam o que resta
dos passos
caminhados
nas estradas solares
do estio 
acabado

Como o coração
escondido no peito
à espera 
que o sol o encontre

* para saber mais sobre o pintor canadiano Ian Roberts
siga o link www.ianroberts.com

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Daqui vão sair os 3 vencedores do passatempo «Lisboa, A Cidade Vista de Fora, 1933-1974»

Como sabem, a Editorial Presença tem três exemplares para oferecer aos seguidores do Clube de Leitores - do livro Lisboa, A Cidade Vista de Fora, 1933-1974 de Neill Lochery. E o nosso desafio foi simples: que escrevessem sobre a cidade. 

Estas são as cinco melhores frases a concurso. E vão agora a uma grande final que decorre até dia 5. As mais votadas ajudam o júri a decidir os vencedores e serão contadas em comentário a este post (aqui no blog, na página do facebook ou também no grupo). 

Boa sorte!


O que faz de Lisboa uma cidade única?


Gina Matos: 

Lisboa... és uma cidade única... Nas tuas fotos que parecem quadros, nos sons, nos cheiros. Em qualquer lugar teu, onde me encontre tens mil histórias a contar... desde os ferros forjados das varandas, aos carris das tuas ruas calcetadas, em que o eléctrico teima sempre em chiar... Os manjericos em Junho às janelas a enfeitar e as sardinhas assadas que nos fazem babar... O assador das castanhas, que se faz apregoar... As ruas estreitas que ao castelo vão dar... passando casarios de bairros tão teus... de noite e de dia teus encantos, fazem embalar sonhos meus... és Lisboa.

Ana Maria Brito Jorge: 

Lisboa: espera por nós... Por toda a eternidade que demorarmos a chegar, ela espera e envolve-nos com o azul límpido do Tejo ou com a neblina misteriosa dos dias mais cinzentos... E o reencontro será uma explosão de fogo de artifício sobre as curvas moldadas das colinas!...

E G Miranda:

Ser nossa a luz que irradia
a foz que se faz larga estrada
Tejo donde partem já não as naus
mas o desejo...


Passarinho:

A mistura de tradição e modernidade. A pluralidade de culturas, mas ao mesmo tempo a fidelidade à identidade nacional. Lisboa é singular pela sua história e pelo seu olhar posto no mundo e no futuro.

Alexandra Rafael:

Andei zangada contigo. Era, talvez, a nuvem cinza que te cobre e te mascara à vinda na ponte. Percorri-te as ruas, um pouco contrariada. Sentia-me estrangeira no teu chão. Foi só quando descobri torres e minaretes, portas (as minhas queridas portas) cheias de vida é que te comecei a amar. Vi-te de fora e vi-te por dentro. Percorri as ruas estreitas e passei os dedos por frisos de janelas, vi as roupas estendidas em despudor, cores garridas a contrastar com a parte cosmopolita. Encerras em ti todo um mundo, Lisboa. Todos os tremores, todos os cercos, não te levaram o encanto dos dias à beira rio.

Consulte o livro no site da editora? http://www.presenca.pt/livro/lisboa-1933-1974/

Carla Sá acerca de «A sombra do vento»

"1945. Barcelona espelhada num livro. Ruas, casas, lojas, e outros cenários descritos com tal minúcia e clareza que parece que estão diante dos nossos olhos. E há um mistério: um livro dentro de um livro. Daniel Sempere completa 11 anos. O seu pai, ao vê-lo triste por ele não recordar mais o rosto da mãe (já falecida), decide dar-lhe um presente e leva-o ao Cemitério dos Livros Esquecidos, uma biblioteca secreta no coração da cidade. É lá que ele tem acesso a um certo livro “ A Sombra do Vento”. Como tantos outros que lá estão, é um livro raro, abandonado pelo mundo e à espera que alguém o redescubra. Daniel leva-o consigo e, impressionado com o que leu, quer saber mais sobre o autor, Julian Carax, e apercebe-se que a vida dele está envolta num grande mistério. Quando Daniel começa a investiga-lo, a sua vida muda para sempre. 

Quem é Julian Carax? E o que tem ele em comum com Daniel? Um mundo em que mentira e verdade se confundem e onde as personagens se relacionam de forma assustadora, mas também apaixonante."

*uma leitura e comentário de Carla Sá


in Coisas que Nunca Aconteceriam em Tóquio


Sim, exacto, se se viaja para África há que ler Kapuscinski; se se viaja para a Austrália, Chatwin; se se viaja para a Patagónia, Sepúlveda; e se se viaja para o Afeganistão, Asne Sierstad, só para citar alguns... e se se viaja para onde quer que seja, As Cidades Invisíveis de Italo Calvino, não acha? É o livro fundamental do viajante. E não só do que percorre mares e continentes. Porque se pode viajar de muitas maneiras. De ideia em ideia. De livro em livro. De um ventre de mulher para outro ventre de mulher... Não se ria. Há um mundo desconhecido em cada pele e em cada olhar.

domingo, 1 de dezembro de 2013

in Sôbolos Rios que Vão


- Alcancei a veia e perdi-a
a quem o tractor esmagou a perna inteira, o nariz diminuiu um bocadinho e embora diminuído as sobrancelhas a meterem-se nele, o farmacêutico
- Vais gastar menos calças
e fique já tolhido se o da perna não sorriu da gracinha, tornou passados meses com um par de muletas e acomodou-se num degrau a assistir ao pôr do sol ou melhor a fazê-lo porque começava nele, as feições escureciam e a tarde imitava-o, os primeiros morcegos era dos seus bolsos que vinham...