terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

amor


ao canto dos galos na madrugada
já o amor era aurora
no espaço entre os vidros embaciados
pela humidade em que o solo
se revolve e fecunda
lançando ao mundo o germe
saliva suor sémen
essa aliteração onde nos sabíamos
o fim de novo começo.


Helder Magalhães


Laura Zalenga Photography

Sem comentários:

Publicar um comentário