terça-feira, 8 de novembro de 2016

janela



ao peitoril a flor da azálea floresce
como a prece do teu nome
em torno do coração
nesse horizonte em ferida
a que a descida não conhece fim.


Helder Magalhães


Américo Rui Pacheco

Sem comentários:

Publicar um comentário