terça-feira, 19 de julho de 2016

resfolgar


o baloiço parou no tempo
um pássaro morto por entre o outono
exposto pelas feridas do chão
as folhas emudeceram
quando atravessaste a cancela
às vezes ouve-se um gemer
e ponho-me à escuta
a ver se a porta se abre
ao teu regresso
mas é tão-só o resfolgar
da manhã sob a ferrugem da asa.


Helder Magalhães


Anka Zhuravleva arts

Sem comentários:

Publicar um comentário