terça-feira, 5 de julho de 2016

Hilda Hilst, é do borogodó!


Move-te. Desperta.
Há homens à tua procura.
Há uma mulher, que sou eu.
A Terra mora na Via-Láctea
Eu moro à beira de estradas
Não sou pequena nem alta

Sou muito pálida
Porque muito caminhei
Nas escurezas, no vício
De perseguir uns falares
teus indícios.

Move-te. Tua aliança com os homens
Teu atar-se comigo
Tem muito de quebra e dessemelhança.
Muitos de nós agonizam.
A Terra toda. Há de ser quase 
Brinquedo adivinhares
Onde reside o pó, onde reside o medo.

Não te demores.
Eu tenho nome: Poeira.

Move-te se te queres vivo.


- Hilda Hilst
da obra Poemas Malditos, Gozosos e Devotos


Sem comentários:

Publicar um comentário