terça-feira, 12 de janeiro de 2016

co-existir


havia o mar e todo
o horizonte lhe cabia
por dentro
como as rochas
a que aspirávamos
na leveza
dos pés
sobre a ondulação
de azul
a infinitude
emergia das sílabas
que co-existiam
à boca
da rebentação
e era uma só
língua
a varrer a praia
na profundidade
da nudez.

Helder Magalhães

Fotografia de Clara Amorim

Sem comentários:

Publicar um comentário