sexta-feira, 28 de agosto de 2015

De ti

De ti
Sei-te o nome gravado em todas as horas da manhã
E o cabelo esculpido entre o sorriso da madrugada.

De ti
Sei-te o rosto mascarado pelo silêncio das flores
E as mãos tecidas apenas de finíssima alegria
Perfumadas pela canção do vento deslumbrado.

O hálito gelas-me em doce murmúrio
E a voz escorres-me como terno mel.

Sereia serena e sossegada
És o mais belo verso de mim
Para sempre calado.

Gonçalo Naves


Foto retirada daqui: http://suelifenixando.blogspot.pt/

Sem comentários:

Publicar um comentário