quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Ana Hatherly (1929-2015)

Morreu Ana Hatherly, a pintora da palavra

A escrita, o acto de escrever e as possibilidades visuais da palavra e da caligrafia estiveram ao centro da sua obra plástica
Tinha "uma criança muito viva no lugar do coração e punha-se traquinas", escreveu um dia Valter Hugo Mãe. A artista plástica, poeta, romancista, ensaísta e tradutora Ana Hatherly morreu esta manhã em Lisboa. Tinha 85 anos.
Com uma formação ecléctica, teve um percurso igualmente multifacetado. Licenciada em Filologia Germânica na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, fez estudos cinematográficos na London Film School e doutorou-se em Literaturas Hispânicas na Universidade de Berkeley.
Foi professora na escola de artes visuais Ar.Co, na Escola Superior de Cinema e no departamento de Literatura Portuguesa da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Mas foi como artista plástica que se destacou.
Em 1958, com Um Ritmo Perdido iniciou a sua carreira literária, começando no ano seguinte as suas pesquisas no âmbito da poesia concreta e experimental. Em 1969 fez na Galeria Quadrante a exposição que marcou o início do seu percurso nas artes plásticas. Desde então, a escrita, o acto de escrever e as possibilidades visuais da palavra e da caligrafia estiveram ao centro da sua obra.
Nascida no Porto em 1929 e participante da edição de 1976 da Bienal de Veneza, a mais importante bienal de arte do mundo, Ana Hatherly está representada nas mais relevantes colecções de arte portuguesas, entre as quais a da Fundação Calouste Gulbenkian, do Museu de Serralves e da Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento.   
Foto: http://www.casadellapoesia.org/poeti/hatherly-ana/biografia

Sem comentários:

Publicar um comentário