terça-feira, 21 de julho de 2015

fôlego


as flores de plástico caíram do vaso
e pela água o teu rosto brotou

os olhos foram remoinhos
a puxar-nos para dentro da corrente

ficámos náufragos um do outro
e as mãos enraizaram-se na fundura

que só o fôlego pode forjar.


Helder Magalhães


Laura Zalenga Photography

Sem comentários:

Publicar um comentário