quinta-feira, 16 de julho de 2015

a-ver-livros: in-subtil

Não há subtileza
no adeus
agror só e um cheiro 
fétido
a ermo, a pesar
a vazio onde a erva
é daninha
e nem a chuva vai lavar
os cestos da vindima dos dias

Não há aprumo
na despedida
por mais que a queiramos desenhar
assim
a direito

Não há finura
ou perspicácia
engenho ou ardil
que sopre na ferida que arde 
incêndio descontrolado
na estrada que segue
outra direcção

Ana Almeida


Sem comentários:

Publicar um comentário