quinta-feira, 18 de junho de 2015

Gonçalo Viana de Sousa - O Flâneur das Sensações




Meu querido José


Escrevo-lhe a bordo de um cruzeiro que zarpa o vento e os céus até Malta. Sinto-me um Álvaro de Campos do Opiário, veja lá, jovem frenético! Escrevo-lhe numa das “pracetas” do cruzeiro. (Este barco mais parece uma cidade náutica, anfíbia, pois imenso é o luxo e o conforto. Por vezes nem me apercebo que me encontro num navio, pois a oscilação do mar não existe. Só temos a sensação, infinita e líquida, do céu e do mar, azuis e racionalmente labirínticos. Efraim adora estas viagens a bordo. Eu vou bebendo o que tenho para beber. Não fumo, como sabe. Nunca acreditei na estética do charuto ou do cigarro. Esse “habano” que tanto glorifica pelos seus poderes feéricos são para mim veleidades. Não preciso deles para criar o meu efeito, para ter as minhas gratificações interiores. Além do mais, o álcool deixa-nos mais perto dos deuses. O tabaco engana-os, pois estes vêm descendo de mansinho, pensando que estão a ser ofertados e louvados quando, na verdade, estão a ser ludibriados e esquecidos. Distantes vão os tempos da mirra e do incenso e das ervas das montanhas. Presente é a era dos “oásis de inutilidades” não somente ruidosas, mas também hedonistas e pseudo-tudo e nada.
Quando receber esta missiva estaremos a chegar a Malta, no dia em que o sonho napoleónico acabou. Sei que tem uma certa predilecção pelo pequeno sujeito que chegou a grande líder. Olhe que essa sua posição, na sua idade, pode ser problemática, pois tanto será visto como megalómano, por um lado, e pseudo-intelectual, por outro. Mas, como o conheço, isso pouco lhe interessa. Junte-se ao clube. (Mas deixe o “habano” de lado, pois não aguento com esse colonial odor!).
Desta vez pensei em enviar-lhe mais um sonho literário que tive, a bordo, na noite passada, enquanto o navio dormitava nas praias da Sardenha. Mas ficará para outro momento. Posso adiantar-lhe que era um sonho de bigodes e monóculos e cigarros. Muitos e pensativos. Penso que já descortinou de quem falo.
Pois bem, volto a um pensamento anterior. Dizia-lhe que havia de receber esta missiva no futuro da minha escrita, que será o passado da sua leitura. Note bem: escrevo num presente que é só meu pois somente a mim mo é permitido viver para que o José o possa ler num futuro que será só seu. Deste modo, passado, presente e futuro não se conjugam, não são um só. Apresentam-se simultaneamente, mas não correlativos, mas não em simultâneo. Talvez sobrepostos.
É interessante toda esta problemática do tempo, jovem dos ideais luminosos e frescos.
E quando ler estas palavras (re)criará todo o meu passado a escrever, sentado numa das “pracetas” deste cruzeiro, assim como eu o imagino, de antemão, concebendo todos estes gestos, os meus e os seus, sobrepostos no tempo, no espaço e na vida.
O sol aperta e as tardes têm a justiça de um calor filho de algum dragão wagneriano.
Assim, quem estará mais próximo da verdade? Eu, que escrevo no seu passado, no meu presente e que o imaginarei no futuro? Ou o José que me lerá no seu futuro que será o meu passado que jamais seria o seu presente? Demasiada filosofia! Ainda para mais a bordo de um paquete tão chic!
Efraim já gastou mais do que devia nos jogos de casino. A sorte dos semitas é que o dinheiro é para eles como a terra prometida: um lugar fértil onde jorram e gorgolejam a farinha e o mel dos rochedos.
Hei-de visitar a Grécia, essa Hellas esplêndida como uma rocha granítica. A Democracia há-de triunfar, meu caro. A Europa abrirá os olhos, como sempre, tarde demais. Mas a Grécia prevalecerá. (Assim como o dinheiro e a usura).
Teremos de visitar, com uma obrigação à la Kant, que é como quem fala de imperativos categóricos!, o templo de Delphoi, caro jovem dos mitos “post-românticos”: Terminei há dias a leitura daquele seu conto a propósito de Anteu. (…) É o que lhe digo sempre. Continue e apareça mais vezes!
Bom, a missiva vai longa e devo procurar o formidável Efraim, pois hoje é noite de jantar italiano.
Beba, (deixe os habanos), viaje e ame.
Deste seu


Gonçalo V. de Sousa.

Sem comentários:

Publicar um comentário