terça-feira, 26 de maio de 2015

É do borogodó: croninquieta de São Jorge

Sentada na praça, aquela que eu nunca vi, mas que, por alguns momentos, se tornou íntima vizinhança daqueles meus dias de trabalho. Desatamos a falar da emoção das pessoas com o teatro que ocupava a praça. Aquela mistura de dança, cantiga, ritual pagão no santo sacrilégio de dizer o nome de Nossa Senhora para saudar mãe da rua. E a rua se fosse o berço do próprio Cristo. Cristinhos as crianças que acompanhavam a retumbada de panos brancos e as fitas vermelhas da bandeira no teatro de rua.

Foi por causa disso tudo, também das folhas de planta, as espadas de São Jorge, que a mulher me disse:
– Reparou nas mães dizendo aos filhos que a espadinha veio em boa hora?
– Reparei não. O que foi? – Eu repliquei.
– No interior, espada de São Jorge serve pra dar lambada em moleque arteiro –  Ela fez explicação.
Depois me disse que ela tinha levado muito de espadada por causa das tantas que aprontava.  Era a avó quem criava a menina, a mesma avó que empunhava a folha de planta que também era espada nas fuças daquela criança dragão.


Um dia a menina fez bolo de caca, juntou terra com xixi e outras porqueiras, para botar numa tigelinha equilibrada por cima da porta de uma vizinha com cara feia. O resultado foi trágico para os cabelos e as vestes da vizinha. A melhor tragédia para fazer comédia da molecada toda que espreitava, esperando o ato principal daquele espetáculo.

A avó entrou no final, epílogo de teatro de rua para a diretora da cena. Veio com espada e tudo, dando aos olhos da vizinha a certeza que a criação corrigia a neta.

– Sabe de uma coisa – disse pra mim com olhos marejados – quando minha avó adoeceu pra morrer, cansei de ficar ao pé dela dizendo ‘fica boa logo, vem correr atrás de mim com espada de São Jorge’.
A avó foi pra lua contar história para Jorge. Eu chorei bonitinha antes mesmo de descer as cortinas.
Se essa rua fosse minha eu mandava ladrilhar com pedras de brilhante e deixava crescer espadinhas de São Jorge para os ladinos brincarem com seus cavalos de pau no meio da praça, sem dor.

Penélope Martins

Sem comentários:

Publicar um comentário