terça-feira, 26 de maio de 2015

casa


os nossos braços projectam-se
uns pelos outros
como se quisessem ser
árvores a tocarem o céu pela água
na profundidade das raízes
o sustento da casa
verás o silêncio
emergir e falar a língua
que apenas os olhos entenderão
saberás a amplitude
do amor na mão aberta
sobre o parapeito e tudo o mais
será o rútilo fôlego
que ampara o tecto.

Helder Magalhães


Adriano Sodré Photography

Sem comentários:

Publicar um comentário