quarta-feira, 1 de abril de 2015

In Amálgama

Estou olhando as mulheres passarem na rua em frente deste reles botequim.
O cara me diz, meu irmão, pode descolar uma grana para um sujeito faminto?
Foda-se, respondo.
Eu podia estar assaltando, mas estou pedindo – ele não sabia se ameaçava ou suplicava.
Foda-se, repito....
Não consigo ver bem seus olhos ansiosos de cão vadio; é uma dessas noites escuras, propícia para os pé-rapados foderem as rameiras no cantão e terem um alívio agónico enquanto o dia afinal não chega com ânsias mais horrendas.
 

 

Sem comentários:

Publicar um comentário