sábado, 18 de abril de 2015

Correndo o Brasil: de Flamengo até Botafogo, passada lenta e contemplativa

Rio de Janeiro
8 de Agosto de 2014


Café tomado manhã cedo, num pequeno lanchonete de esquina carregado de bandeirinhas brasileiras no tecto. Restos prováveis de uma copa de muito má memória para este povo, uma humilhação entre portas.

Vou recolhendo a primeira impressão das ruas do Flamengo. Árvores altas fazem sombra ao meu caminho, o sol vai alto. Não está um calor abrasador, estamos em pleno Inverno. Mas se todos os Invernos fossem assim, certamente não saberíamos o que é o frio. Muitos milhões de cariocas nunca viram neve, isso são viagens ao imaginário longínquo de outras bandas.

As ruas são barulhentas e com muito movimento. É preciso ter cuidado ao pôr o pé no alcatrão, a qualquer momento uma manada desenfreada de veículos pode passar-nos a ferro. A maioria dos prédios altos são vedados por grades que impõem respeito e são observadas de longe por porteiros. Muitas bancas vendem o que há à mão, cada pessoa pobre faz por sobreviver mais um dia.

Caminho em direcção à praia do Flamengo e é ali que percebo, pela primeira vez, a magia do Rio. Quando olho para o Pão de Açúcar e o vejo lá ao longe, sei que o tenho que subir e conquistar. Porque o Rio aponta muitos morros ao céu, como se os montes quisessem chegar o mais perto possível de Deus.

Passeio pela praia e paro para beber água de coco. Uma frescura que carrego pelo calçadão do Flamengo, por onde passa muita gente a fazer desporto. Explicam-me que treinar ao ar livre é levado muito a sério por ali e os meus olhos comprovam-no.

A passada é feita calmamente até Botafogo, que bonito passeio é este. A tranquilidade do calçadão contrasta com o trânsito e movimento louco da estrada. Mais uma vez pareço estar entre dois mundos antagónicos que convivem juntos. Assim é o Brasil e eu vou ter vários exemplos ao longo desta viagem para o comprovar.

Entro no Praia shopping e subo à esplanada da restauração. Jamais iria ali se não fosse a conselho. A razão é simples: uma vista formidável para a marina de Botafogo, com o Pão de Açúcar como pano de fundo.

Neste momento faço parte de uma tela e peço ao meu amigo para me tirar uma foto.

O "portuga" de t-shirt de riscas e óculos escuros perpetua-se neste cenário e dá início a uma série incrível de fotografias. Tudo isto em cenários que a nossa imaginação julgava conhecer, mas que são muito mais imponentes e majestosos do que aquilo que a mente consegue conceber.

Rodrigo Ferrão 

2 comentários:

  1. Adorei o uniforme de turista! De uma alo a esse Rio de Janeiro do meu coração. Maravilha esse seu blog :)

    ResponderEliminar
  2. Que bom saber! Fique connosco, irei contar muitas histórias sobre o Brasil - fique atenta. Obrigado pelo seu elogio :)

    ResponderEliminar