domingo, 29 de março de 2015

Só tu


Sou um apaixonado ambulante.
Porém, nenhum poema te dedico,
Nem um dos que vivi.
Mas decidi, e agora explico,
Dar-te tudo o que escrevi.
Sei que nada meu é brilhante,
E nada chega ao teu corpo perfeito,
Ou ao teu sorriso abundante.
Ainda assim, tudo é teu por direito.
Todos os mares que cantei,
As várias vidas tão diferentes,
E as pessoas que inventei.
Os teus olhos tão inteligentes,
Me trazem tamanha saudade.
Quando os deixo por um momento,
Volto à mediocridade.
Por isso só tu me dás cabimento,
Só contigo existo fora do papel.
Só tu me sobrevives,
A esta vida-carrossel.

Gonçalo Naves



Foto tirada daqui:http://resumodanet.com/2014/02/as-paisagens-naturais-mais-deslumbrantes-do-planeta.html

1 comentário:

  1. Isso é que é paixão! Espero que dure o tempo de toda uma vida!

    ResponderEliminar