segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

PERGUNTEI-ME

Multidão de sem olhares eu sou,
Vejo o mundo deixar de ficar.
Mudo como sempre,
Não mudo, sou mudo,
Não gosto de mudar.

Quem pouco quer vê-se no afinal, 
De casar por bondade. 
E acaba por transformar, 
A beleza em felicidade.

Que coisa estranha esta,
Tudo em meu redor é sabedoria,
Intelectuais, professores,
Doutores,
E eu coitado, sem categoria,
Fino travo a ironia.

E que doce tentação,
Ter inconsciência,
Desta inquietação,
Que é ser todo experiência,
Existindo com o coração,
E sem inteligência.

Por isso,
Para algo grande,
Permanecer sereno. 
Porque o ego a crescer,
É o corpo mais pequeno

Gonçalo Naves


Foto tirada daqui: http://www.meditacaouniversal.com.br/um-pequeno-gesto-de-humildade-e-amor/

Sem comentários:

Publicar um comentário