segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

PÃO NOSSO

Ainda não se tinha sentado e já a cadeira chorava por antecipação. Vinha aí processo moroso e exigente. A mesa estava posta a preceito. Cá na ponta havia uma travessa com rissóis dispostos num desenho pouco conhecido. Malucos, sorriam-lhe. Já lhe conheciam as teimas. Mais à frente, numa superfície meio agastada, havia um pedaço de madeira que aconchegava queijo de todo o tipo. Queijo branco, queijo amarelo, queijo com e sem buracos. O bicho chegou, viu e sentou. Apesar de ter balançado e estremecido por tudo o que era sítio, a cadeira aguentou firme aquele desafio.

Tinha o respirar barulhento e a dupla papada afogava-lhe o pescoço. Olhos muito enfiados, quase fechados. A boca enchia-se de saliva e a certa altura começou a transbordar. Foi inevitável, era um animal sedento.

Lançou-se sem pedir licença. Tinha acabado de ganhar espaço interior e havia ali potencial para algo memorável. Os queijos foram os primeiros. Sem piedade, levou os palitos à boca e devorou-lhes os filhos como se de porção grande se tratasse. Mastigava com pressa mas demorava. Os rissóis não resistiram dois minutos. Renderam-se à primeira dentada. E única. À medida que enchia o bandulho floresciam-lhe feições demasiados felizes. Barulhos desagradáveis acompanhavam-lhe a digestão. A luz do candeeiro, bem por cima, assistia àquele espetáculo com agrado. Lançava-lhe expressões de aprovação e incentivo. Tudo o que existia naquele sítio gritava-lhe o nome. Naperons loiça livros. Davam-lhe confiança que julgavam necessária.

Com a açorda chegou a desorganização total. O bigode não tinha resistência para sofreguidão de tal envergadura. Ia mudando de cor e permanecia queixoso. A gordura guiava-o por caminhos perigosos e fascinantes. As travessas e os pratos amontoavam-se sem contagem. Aquela performance não teve intervalo. O andamento era rápido e intensificava-se. O clímax foi atingido durante a sobremesa. Mal viu a tarte de morangos caminhando na sua direção, as mãos tremeram-lhe. Afastou a cadeira para trás e, com cuidado especial, deixou-a subir-lhe para o colo. Acariciou-a com mãos de fada e sussurrou-lhe ao ouvido. Preparou-a para o que aí vinha.

Ela encolheu-se muito quietinha e deixou-o fazer o que tinha que ser feito. Nunca se tinha visto atuação semelhante. O cheiro a chantily espalhou-se e o homem degustou-lhe a sensação. Foi o ponto máximo daquela existência conjunta. Os anos correram e não houve outra refeição capaz de albergar tanta fome...

Gonçalo Naves


Sem comentários:

Publicar um comentário