quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Gonçalo Viana de Sousa - O Flâneur das Sensações




Sem qualquer referência, Gonçalo fez-me chegar este texto que me atrevo a atribuir à coletânea "Histórias de pauta e de papel".Descontentamento? Cansaço? Eis as questões!




Nos tempos de nevoeiro e frio continental, os concertos para piano de Beethoven têm um efeito telúrico e lenitivo na alma errante e cosmopolita do sujeito que turista pela Europa, pelos sistemas e pelo mundo. Sem Beethoven o que seria de Wagner? O que seria do Romantismo sem o ímpeto de um homem incompreendido, romântico en abîme? Beethoven é, sem dúvida alguma, o pai da moderna música. Sem Beethoven, nem florestas germânicas ou cantos nacionalistas, ainda que poéticos. Sem Beethoven, nem o Palácio da Pena teria o mesmo encanto, com o seu nevoeiro embalando as serras e o orvalho que sacia a sede de uma terra encantada.
Mas ia-me esquecendo de Mahler, esse portentoso génio que nos fez chegar o legado de Beethoven sem mácula. Génios traduzindo génios.
Mas interessa sim o frio continental, a chuva e o nevoeiro que fecham as cosmopolitas cortinas das capitais europeias e americanas. O som dos passos pelos passeios encharcados. Os táxis correndo, os transeuntes de guarda-chuva na mão, pasta ou mala na outra, a gabardina cobrindo do vento, do frio e da água que respinga das cornijas góticas de uma capital crística. Os prédios altos e cinzentos, os vapores fumegantes saindo dos esgotos multinacionais., as montras das lojas abarrotadas de produtos e preços e descontos. O frio transforma o suspiro de um casal de namorados em duas vibrantes linhas de fumo apaixonado. Nos bancos de jardim, avista-se os espaços vazios, deixados por uma solidão que se refugia em casas abandonadas ou em quartos de velhos esquecidos pelos filhos e pelo mundo. O ciclo natural das coisas. Alma bendita das sensações musicais. O concerto de Beethoven, o sexto, continua no seu ritmo benfazejo, líquido. O resto não interessa.
Continuemos as nossas vidas, tão fingidas, tão mesquinhas, tão desinteressantes

Sem comentários:

Publicar um comentário