sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Eu poético: «separação»

separação

não tive coragem para te dizer adeus
e por isso escrevi uma carta.

no íntimo
queria fazer da despedida
um virar de página.

mas o que não queria,
o que não queria mesmo
...
era ver-te chorar.

deixei-te porque não desejava
que fosses ao fundo
com os meus medos,
com os fantasmas,
com o pânico das noites,
as minhas mãos suadas
e trémulas.
as vozes que ouvia
e não sabia explicar.
o medo louco da morte
ou de ficar só.

deixei-te para tentares a sorte
com alguém que te trouxesse o sorriso de volta.
deixei-te porque achei
que estavas a ficar parecida comigo.
deixei-te porque fugir
é sempre a solução mais fácil
no momento.

nem sabes o que me arrependo.
nem sabes como a solidão se instalou de vez.

imaginas como sonhava ter uma máquina do tempo,
viajar e apagar
as distâncias
que nos afastam?

pergunta retórica
nesta separação.

Rodrigo Ferrão

Foto: Rodrigo Ferrão

Sem comentários:

Publicar um comentário