domingo, 14 de dezembro de 2014

I'm so completely Snob!


No r/ch do n.º 210 da Rua D. João I, em Guimarães, existe uma livraria, a Livraria SNOB, sonho e audácia de uma troika boa, três mosqueteiros dos livros – a Emília Araújo, o Eduardo Fernandes e o Duarte Pereira – onde na noite do Domingo que passou mais uma vez o Pretérito Perfeito foi motivo de conversa, um presente que se faz passado, aos meus olhos perfeitos.


E porque sobretudo as pessoas, fico sem palavras (quando o que nos junta são as palavras) para dizer o quanto gosto das pessoas.
Não fico.
Morro de ridícula na tentativa.

Assim ao meu lado dois pilares perfeitos, Suzana Costa, advogada, fiscalista, professora universitária, cantora num Combo e num Coro curiosamente também fundados em Guimarães, e  Rodrigo Ferrão, jurista, bloguer premiado, poeta.

No meu outro lado, mais amigos, centenários e incontornáveis, como o Eduardo Miguel, o Ricardo Pereira, o Manuel Oliveira, mais os outros, que parece que sempre ali estiveram, a Ana Christelo, comovedora a fotografar solidões, que cumprindo os conselhos do Zeca, consigo trouxe dois amigos também, e a Clara Amorim em relação à qual me atrevo a dizer, como aprendi com a minha amiga Ana Saragoça, escritora que merece leitura, nós sempre fomos amigas mas só agora é que nos conhecemos.
E a novidade de um poeta na plateia, Vinícius de Moraes, copo de whisky na mão, diria saravá Hélder Magalhães!

E o que foi bonito de bonito, tudo o que ouvi dizer sobre o livro, sobre o Vasco, personagem principal de quem se falou como se de gente se tratasse.

E mais bonito de bonito, os olhares atentos e curiosos, e depois os gestos, o carinho devotado que tanto me comove.

Depois um pão-de-ló, a Clara Amorim levou um pão-de-ló, méritos da irmã, Cristina Amorim, esclareceu; um gesto doce em todos os sentidos, e mais me ofereceu flores, um ramo de tulipas encarnadas ainda em botão, flores que por instantes me fizeram viajar, agora, depois da Índia, para a Índia, chão onde mais me cruzei com cabeças de turbante, antes, para a Turquia, um dos meus primeiros países estrangeiros, a Clara sem saber comigo a viajar, porque me lembrei, lembro-me sempre, que o nome tem origem na palavra turca/otomana (não sei precisar) tulbend, que significa turbante.


Depois, sentada na esplanada central da livraria, as mesas cheias de livros, bebi um chá, aqueci o corpo, passei para o vinho, e acabei a noite leitora encantada por um encantador de leitores, porque o Duarte é isso, sem flauta nem relógio de bolso, um encantador de leitores.

Tens de ler este, e este e mais este, e já leste este?

Ora porque o autor, ora porque o tradutor, ora porque a história, ora porque a edição.

Os tantos livros que trouxe, quase uma dúzia, como as sardinhas, mais a Sesla, revista de poesia, oferecida pelo Rodrigo, e onde viu o seu primeiro poema publicado em papel. Sem papel há todo um “Eu poético” para ler aqui, no Clube de Leitores

Assim, entrámos pela madrugada a falar de livros, de livrarias, de editores, de livreiros, de autores, coscuvilhámos com curiosidade, carinho, admiração e por vezes tristeza que também as há no mundo dos livros.
Esquecemos o tempo.
E se ser Snob é isto... eu sou tão completamente SNOB.


* Fotos de Ricardo Figueiredo de Carvalho

Sem comentários:

Publicar um comentário