terça-feira, 16 de dezembro de 2014

É do borogodó: cânhamo


Meu corpo é cânhamo
virgem
à espera do bordado
Teu corpo é agulha a espera da linha
Meu corpo sofre a delícia da primeira bainha
aberta
Teu corpo alinhava em vermelho o branco
do meu
Meu corpo se contorce a cada entrada
de seu ponto
atrás
Teu corpo em pontos de laçada
Meu corpo se ajusta aos menores entremeios
Teu corpo (em grand finale) decide o ponto

E nossos corpos se enlaçam no êxtase
do
ponto cruz.

* poema de Karin Krogh.
** fotografia Dora Maar, por Man Ray, 1936.
*** escolhido por Penélope Martins

Sem comentários:

Publicar um comentário