terça-feira, 14 de outubro de 2014

Primeiro Parágrafo: «Brasil», de Neill Lochery

P.V.P.: 19,90 € 
Data de Edição: 2014
Nº de Páginas: 432
Editora: Editorial Presença

CAPÍTULO I
A GÉNESE

Alzira Vargas do Amaral Peixoto era detentora de uma beleza tão natural e de uma tão forte vitalidade que quase todos os homens com quem se cruzava sentiam por ela uma atração sexual. À semelhança do pai, não era alta, mas as maçãs do rosto delicadamente esculpidas, o elegante bico de cabelo na testa, os sensuais lábios carnudos e os penetrantes olhos escuros eram atributos mais do que suficientes para compensar a estatura baixa. No entanto, era o sorriso de Alzira que desarmava a maior parte dos homens. Era um sorriso que se desenhava tanto nos olhos como na boca, iluminando os espaços onde entrava e animando os espíritos mesmo dos mais imperturbáveis homens do Exército e da polícia - da nação brasileira e daqueles que eram oriundos de outros países. Quando estava bem-disposto, Getúlio Vargas, o pai, retribuía-lhe o sorriso com a expressão de absoluto júbilo que os pais reservam ao filho predileto.

*in «Brasil - a segunda guerra mundial e a construção do Brasil moderno», de Neill Lochery

Sem comentários:

Publicar um comentário