quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Ciclo do Emílio - dia 3

 3.

Há amores que não morrem e perduram
No tempo
E nos constroem e destroem e reconstroem
Por dentro
Há amores que nos escrevem
E nos riscam
E nos libertam
E há amores
Que nos prendem, que nos transformam em asas e em vento…
E há amores que nos amam e outros que amam ainda mais
E outros e outros
Que lembramos
Que se transformam em pensamento
E em estradas atravessando desertos…
E há amores
De todas as cores
De todas as idades
Cidades, rios e velhas árvores
Sussurrando-nos,
Pejadas de aves que nos encantam…
E há outros
Que nos dilaceram
E nos matam
E nos matam
Para além da morte!


20/8/2014

1 comentário:

  1. Lindíssimo !

    "Há amores que nos transformam em asas e em vento… "

    ResponderEliminar