sexta-feira, 30 de maio de 2014

Poema à noitinha... Gilberto Mendonça Teles

Anulação

Ocupar o espaço
contido na sombra,
ser o pó do espesso,
o vão da penumbra,

o dó sem começo,
o nó sem vislumbre,
o invisível traço
do não-ser: escombro.

Ser zero, ou nem isso:
letra morta, timbre
do vazio no osso.

Ser aquém do nome
— o só do soluço
de coisa nenhuma.

*Gilberto Mendonça Teles, in Arte de Armar

Sem comentários:

Publicar um comentário