quarta-feira, 28 de maio de 2014

Morreu Maya Angelou

Thursday, May 28, 2014
Statement from Dr. Maya Angelou’s Family:
Dr. Maya Angelou passed quietly in her home before 8:00 a.m. EST. Her family is extremely grateful that her ascension was not belabored by a loss of acuity or comprehension. She lived a life as a teacher, activist, artist and human being. She was a warrior for equality, tolerance and peace. The family is extremely appreciative of the time we had with her and we know that she is looking down upon us with love.
Guy B. Johnson

*página da autora, no facebook.


Muito pouco divulgada em Portugal, Maya Angelou tem apenas um livro publicado pela Estrela Polar. Fui procurar no site wook informações sobre os seus livros e a autora, e eis o que de lá retirei:

Maya Angelou

Poeta, escritora, actriz, professora e realizadora Maya Angelou passou a infância em Stamps, no Arkansas, tendo depois ido viver para São Francisco. Para além das suas autobiografias, sempre com grande sucesso de vendas, a primeira das quais intitulada I Know the Caged Bird Sings, escreveu um livro de culinária, Hallelujah! The Welcome Table, e cinco colectâneas de poesia, entre as quais I Shall Not Be Moved e Shaker Why Don’t You Sing?



Carta à Minha filha
de Maya Angelou
 
Escrita do coração para milhões de mulheres que considera fazerem parta da sua família

Sinopse
Dedicado à filha que nunca teve, Carta À Minha Filha mostra o percurso de Maya Angelou até alcançar uma vida boa e com sentido. Escrito no seu estilo inimitável, este livro está acima de qualquer género ou categoria: é ao mesmo tempo um livro de pequenas histórias, um livro de memórias, mas também um livro de poesia - e é um prazer absoluto. 

Em pequenos e fascinantes textos, Maya Angelou permite-nos vislumbrar alguns aspectos da vida tumultuosa que a levou à posição cimeira que ocupa nas letras americanas e lhe ensinou lições de solidariedade e de força: a sua educação por uma avó insubmissa no ambiente de segregação racial do Arkansas, a sua vida a partir dos treze anos com a mãe, uma pessoa muito mais mundana e menos religiosa, até se transformar numa adolescente meio desajeitada, cuja primeira experiência de sexo sem amor a deixou, paradoxalmente, com a sua maior dádiva, um filho. 

Maya Angelou escreve do coração para milhões de mulheres que considera fazerem parte da sua família. Como sempre acontece com as suas obras, Carta À Minha Filha é um livro que encanta e ensina. É um livro para estimar, saborear, ler várias vezes e partilhar.
Excerto
«Dei luz a uma criança, um rapaz, mas tenho milhares de filhas, Sois brancas e negras, judias e muçulmanas, asiáticas, hispânicas, ameríndias e esquimós. Sois gordas e magras e bonitas e feias, homossexuais e heterossexuais, instruídas e iletradas, e estou a falar para todas vós. Isto é o que tenho para vos oferecer.»

Sem comentários:

Publicar um comentário