domingo, 6 de abril de 2014

Manuel Forjaz em livro

Partiu hoje, aos 50 anos.

O professor e empresário Manuel Forjaz morreu hoje de manhã na sua casa em Lisboa, aos 50 anos, disse à agência Lusa fonte da editora LeYa.

Manuel Forjaz, que nos últimos cinco anos travou uma intensa batalha contra um cancro no pulmão, tinha um programa semanal na TVI24, conduzido por José Alberto Carvalho, intitulado "28 minutos e sete segundos de vida", no qual falava como encarava o país e a sua vida.

"Nunca te distraias da vida" é o título do livro que editou pelo grupo Leya, uma obra de cariz autobiográfico e no qual retrata a sua luta contra o cancro.

Manuel Forjaz foi empresário, antigo dirigente da Associação Nacional de Jovens Empresários (ANJE), administrador do jornal A Capital, professor, entre outras funções.


*in DN.

"-Não quero que chorem
-Não quero ninguém vestido de preto
-No seu elogio quero que os amigos tenham 10 minutos para falarem de mim
-Música 'Don't Stop Believing'
-Não quero que os amigos chorem e que se lembrem que vivi sempre a vida como quis.
-O amor da minha vida é a Bichica
-Os meus maiores feitos são o Zé Maria e o António de quem tenho um imenso orgulho
-Não quero caixão aberto e quero uma cerimónia simples e alegre.
-Padre João Seabra"

*https://www.facebook.com/manuel.forjaz


SINOPSE:

Nunca te distraias da vida é um livro biográfico, mas não é uma biografia. É um livro que nos fala do cancro e do que é viver todos os dias com a doença, tentando manter a disciplina, a alegria e uma agenda profissional milimetricamente preenchida, como Manuel Forjaz sempre teve. Sem que pretenda ser um manual de comportamento ou, sequer, um livro de auto-ajuda, trata-se de um testemunho e de uma ferramenta muito útil para todas as pessoas que estão a viver um problema semelhante ou que têm um familiar ou um amigo doente. É sobretudo um livro despretensioso, escrito por um homem que luta pela vida desde há vários anos, sem nunca baixar os braços e com uma enorme fé em Deus e na ciência; um homem que tem procurado todas as soluções possíveis para a situação difícil em que se encontra e que integra no seu plano de tratamentos a medicina tradicional e as medicinas alternativas com o mesmo rigor; um homem que vive com a certeza de que, mais tarde ou mais cedo, o cancro poderá matá-lo, mas não conseguirá nunca impedi-lo de viver a vida enquanto existir vida para viver.

Sem comentários:

Publicar um comentário