segunda-feira, 28 de abril de 2014

Emílio Miranda, dia 20

Somos animais: não me fales de fome; conheço-a bem;
Como conheço a voz do sangue que me chama entre brumas e fantasias;
Ninguém come a lonjura sem se perder!

Os dentes da maçã que me devora
São vorazes mas a (in)digestão durará mil horas.

Emílio Miranda 


Foto: Cláudia Miranda

Sem comentários:

Publicar um comentário