sábado, 12 de abril de 2014

CortesiA


Ali estava ela,
meio despida.
Toda a gente
com pena daquela vida.

Ninguém sentia
aquela agonia.
Mas tinham pena,
por cortesia.

Pena fingida,
pena aparente.
Para quê viver,
se nada se sente.
Para quê viver,
se a vida mente.





Sem comentários:

Publicar um comentário