sexta-feira, 18 de abril de 2014

a-ver-livros: oração

Como tu oras
eu sento-me frente às ervilhas
de cheiro
entrego-me à serenidade
palpável da manhã
e ouço no silêncio povoado
de sons
as palavras rituais
que não estão escritas

Mais próxima da divindade
nascida terra
sei-me una
e alinhada com os astros

Ana Almeida


Sem comentários:

Publicar um comentário