terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Poemas cantados 6: Cavaleiro andante

 
Cavaleiro andante
* Carlos Tê para Rui Veloso

Porque sou o cavaleiro andante
Que mora no teu livro de aventuras
Podes vir chorar no meu peito
As mágoas e as desventuras

Sempre que o vento te ralhe
E a chuva de maio te molhe
Sempre que o teu barco encalhe
E a vida passe e não te olhe

Porque sou o cavaleiro andante
Que o teu velho medo inventou
Podes vir chorar no meu peito
Pois sabes sempre onde estou

Sempre que a rádio diga
Que a américa roubou a lua
Ou que um louco te persiga
E te chame nomes na rua

Porque sou o que chega e conta
Mentiras que te fazem feliz
E tu vibras com histórias
De viagens que eu nunca fiz

Podes vir chorar no meu peito
Longe de tudo o que é mau
Que eu vou estar sempre ao teu lado
No meu cavalo de pau


*  Hei-de ser velhinha e meia surda, mas os primeiros acordes desta canção irão sempre arrepiar-me e há-de haver sempre uma sombra de lágrima no meu olhar quando a ouvir. A letra do Tê - este poema maravilhoso - será sempre levada em braços na música e voz do Rui, sílaba por sílaba, perfeita.

Ana Almeida

Sem comentários:

Publicar um comentário