quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

ALA ... que é poesia XII

Talvez a versão musicada pelo Vitorino não faça jus a este pequeno poema de António Lobo Antunes. À força que vem na sua simplicidade, na ingenuidade do seu amor de pai. Mas a verdade é que todos mentimos a quem amamos. Nunca te vou deixar. Vou estar sempre aqui. Nunca e sempre podem ser segundos. Eternidades, portanto.

Ana Almeida



Canção Para a Minha Filha Isabel Adormecer Quando Tiver Medo do Escuro

Nem sombra nem luz
Nem sopro de estrela
Nem corpinhos nus
De anjos à janela 


Nem asas de pombos
Nem algas no fundo
Nem olhos redondos
Espantados do mundo 

Nem vozes na ilha
Nem chuva lá fora
Dorme minha filha
Que eu não vou embora

António Lobo Antunes

PARA VER O VÍDEO SIGA O LINK
http://www.youtube.com/watch?v=xa39gh2ilP4

Sem comentários:

Publicar um comentário