sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Poesia que passa ao lado #2

É com o silêncio que as mulheres tecem
as roupas do mundo.

o fuso e a roca eram só instrumentos
(uma quase justificação)

As vestes são tecidas com o silêncio
com o sangue dos olhos
com as lágrimas dos dedos.

Com o silêncio e no silêncio as mulheres tecem
longas vestes
enormes tapetes e carpetes
belas e luxuriantes cortinas.


Com tudo o que tece, silenciosamente,
a mulher, do mundo tenta tapar
os buracos
tenta estancar o sangue
que corre copiosamente.



Conceição Paulino in "Autores Não Publicados, Assírio&Alvim"

Sem comentários:

Publicar um comentário