quinta-feira, 10 de outubro de 2013

O Prémio justo que faltava a Alice Munro

Quem anda nestas andanças dos livros ficou contente com a atribuição do Prémio Nobel a Alice Munro. A Canadiana é bem conhecida do público português, tendo vários livros traduzidos pela Relógio D'Água.

Dona de uma prosa formidável, tem tiradas mágicas. Como estas que vos deixo:

A story is not like a road to follow … it's more like a house. You go inside and stay there for a while, wandering back and forth and settling where you like and discovering how the room and corridors relate to each other, how the world outside is altered by being viewed from these windows. And you, the visitor, the reader, are altered as well by being in this enclosed space, whether it is ample and easy or full of crooked turns, or sparsely or opulently furnished. You can go back again and again, and the house, the story, always contains more than you saw the last time. It also has a sturdy sense of itself of being built out of its own necessity, not just to shelter or beguile you.

There is a limit to the amount of misery and disarray you will put up with, for love, just as there is a limit to the amount of mess you can stand around a house. You can't know the limit beforehand, but you will know when you've reached it. I believe this.

Talvez a melhor forma de conhecer esta escritora de 82 anos seja ler o seu livro A Vista de Castle Rock, onde "ela combina a história da sua família com as suas próprias experiências numa antologia de contos, que é talvez a mais pessoal e intensa das que escreveu.

Um rapaz, levado a Castle Rock, em Edimburgo, para ver o mar que o levará até à América, vislumbra o sonho do pai. Emigrantes escoceses fazem uma viagem, de amor e de perda, que os leva ao Ontário rural. Esposas, mães, pais e filhos vivem entre incertezas, ambivalências e contemplações nestas histórias de esperança, adversidade e admiração. A Vista de Castle Rock revela o essencial da arte de Munro: o seu subtil entendimento de vidas normais." (in sinopse)


Diz o Jornal de Negócios:

A Academia atribuiu o galardão a Munro por considerar a escritora "mestre do conto contemporâneo", um género literário raramente distinguido pela Academia das Ciências Sueca. Esta é a primeira vez que um escritor canadiano é laureado como este prémio. Alice Munro é a 13.ª mulher a ganhar o Nobel da Literatura desde que o prémio foi instituído, em 1901.

Na biografia que foi divulga da escritora, a Academia Sueca aplaude os contos de Munro, que focam "a fragilidade da condição humana", e elogiam a "narrativa afinada" da escritora, "que se caracteriza pela clareza e pelo realismo psicológico".

"Alguns críticos consideram-na um Tchekhov canadiano", acrescenta a Academia.

"As suas histórias passam-se frequentemente em pequenas localidades, onde a luta por uma existência socialmente aceitável muitas vezes resulta em relações tensas e conflitos morais. Problemas que resultam de diferenças geracionais e ambições de vida que colidem", escreve ainda.

Os seus textos descrevem frequentemente "eventos do dia-a-dia, mas decisivos; verdadeiras epifanias que iluminam a história e deixam questões existenciais aparecer num relâmpago", pode ler-se no texto da academia.


Fico contente com este prémio. Ler Munro é uma experiência muito boa, posso garantir. Atirem-se aos livros dela! 

Sem comentários:

Publicar um comentário