terça-feira, 22 de outubro de 2013

«Ara» é nome de primeiro romance


É um dos acontecimentos deste ano no mundo dos livros: Ana Luísa Amaral escreve o seu primeiro romance, publicado pela Sextante Editora. Uma viagem à infância, com os seguintes tópicos que Maria Velho da Costa aponta:

Primeiro: a prosternação diante do altar. A hesitação diante da proliferação dos ritos: sacrifício, louvor, cântico, narrativa. Figuras e vozes, acólitos. Insurgências. Japoneiras e túneis do sentido. Discrepância a todas as vozes acumulando num sentido. Não único, mas unívoco. Desde a infância.

Segundo (como se diz de um andamento ou de um painel): o tríptico dentro do tríptico das DUAS IRMÃS: a narrativa oblatória e clara da paixão sáfica. Ardente e casta. Sem falso pudor. Vergonha é não te amar. A oferenda lírica.

Terceiro: não é coisa de rasgar como romance este romance. Assente na pedra do lar um prisma multifacetado e translúcido: o amor único, a palavra. A brisa do arado sobre a ara.


*in sinopse, Maria Velho da Costa. 

Sem comentários:

Publicar um comentário