quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Neruda: «O Oleiro»

O Oleiro

Há em todo o teu corpo
uma taça ou doçura a mim destinada.

Quando levanto a mão
encontro em cada lugar uma pomba
que andava à minha procura, como
se te houvessem, meu amor, feito de argila
para as minhas mãos de oleiro.

Os teus joelhos, os teus seios,
a tua cintura,
faltam em mim como no côncavo
duma terra sedenta
a que retiraram
uma forma,
e, juntos,

estamos completos como um só rio,
como um só areal.


*Pablo Neruda, in Os Versos do Capitão.

Sem comentários:

Publicar um comentário