sexta-feira, 23 de agosto de 2013

A paixão pelos livros nas palavras de um bibliófilo



Nas palavras do autor, aqui se tem a “prosa de um velho colecionador para ser lida por quem gosta de livros, mas pode também servir de pequeno guia aos que desejam formar uma coleção de obras raras, antigas ou modernas”. Este pequeno grande clássico da bibliofilia de língua portuguesa, esteve esgotado mais de 20 anos, no Brasil tendo sido reeditado pela Casa da Palavra, em 2005, segundo José Mindlin, “estava fazendo falta, e sua reimpressão é um bom serviço que os editores prestam à cultura brasileira”.

Em Portugal chega-nos pela mão da Letra Livre, que não só nos presta um excelente serviço como livraria e ponto de divulgação cultural mas também de há uns tempos para cá como editora, contando já com uma mão cheia de bons livros editados.

Um livro curioso para curiosos datado de 1965, editado pela Companhia Editora Nacional de São Paulo. Pequenos textos de Rubens Borba de Moraes sobre diferentes aspectos do coleccionismo de livros, e a cultura em volta de bibliotecas. Histórias pessoais em busca de exemplares e outros elementos. Borba de Moraes, bibliotecário, bibliógrafo e bibliófilo, foi director de diversas bibliotecas, entre elas a Biblioteca Nacional do Brasil e a Biblioteca da ONU.

Aqui ficam alguns excertos para abrir o apetite:

"O prazer de colecionar, a emoção de encontrar um livro procurado há anos, a volúpia de completar as obras de um autor, é, para o milionário que paga uma fortuna por um livro, a mesma do pobretão que encontra num sebo o volume sonhado”.

"O que o bibliófilo procura é um prazer intelectual e artístico e não o ganhar dinheiro”.

"Para se formar uma coleção homogênea sobre um assunto ou um autor é preciso ciência, conhecer a vida do autor, saber quando, onde publicou seus livros. É preciso toda uma soma de conhecimentos, uma verdadeira erudição.É aí que está a diferença entre o verdadeiro bibliófilo e o mero comprador de livros”
.

Sem comentários:

Publicar um comentário