segunda-feira, 29 de julho de 2013

Ciclo Júdice: «Deus»

Deus

À noite, há um ponto do corredor
em que um brilho ocasional faz lembrar
um pirilampo. Inclino-me para o apanhar
- e a sombra apaga-o. Então,
levanto-me: já sem a preocupação
de saber o que é esse brilho, ou
do que é reflexo.
Ali, no entanto, ficou
uma inquietação; e muito tempo depois,
sem me dar conta do motivo autêntico,
ainda me volto no corredor, procurando a luz
que já não existe.


*Nuno Júdice, in Meditação sobre Ruínas - Quetzal

Sem comentários:

Publicar um comentário