domingo, 30 de junho de 2013

Maria Isabel Matos Pereira, África e poesia. Pequenos poemas da antologia «Há Qualquer Coisa, poesia a catorze»

Da antologia Há Qualquer Coisa, poesia a catorze - editada em 2001, saem estes versos. 

Crepúsculo XIII

O roxo do granito estreita a luz do entardecer
que desce a serra em sobressalto.
No rio, salpicado de vermelho, tombam as silhuetas dos pinheiros.

Crepúsculo XIX

Todos os sons de um silêncio oiro-violeta despertaram.
Laços vermelhos descem pelos montes e atam a alma 
da noite aos pinhais.

*Maria Isabel Matos Pereira
Convidada do Clube de Leitores.



Sem comentários:

Publicar um comentário