sexta-feira, 21 de junho de 2013

1º Parágrafo: Veneza


A 45º 14’N, 12º 18E, O NAVEGADOR que vá subindo ao longo que vá subindo ao longo da costa adriática de Itália encontra uma abertura na extensa linha baixa da praia: e virando para oeste, com a ajuda da maré, entra numa laguna. De súbito, desaparece o vigor tempestuoso do mar. A água em volta é baixa mas opaca, a atmosfera curiosamente translúcida, as cores são pálidas, e sobre toda a extensão da bacia de lama e água pesa uma sugestão de melancolia. É como que uma laguna albina.


* Tradução de Raquel Mouta

Sem comentários:

Publicar um comentário