quarta-feira, 5 de junho de 2013

1º Parágrafo: Um Rapaz a Arder


Deixei Moçambique no dia 8 de Novembro de 1975, tinha 26 anos. Nesse sábado, em Lisboa, o Governo mandou dinamitar os emissores da Rádio Renascença, controlada pela estrema-esquerda. Do aeroporto da Portela fui directamente par o Estoril, para casa do nosso amigo José António Brito (uma amizade que a guerra selou), onde vivi dois meses até mudar para Cascais. No dia seguinte, jantando em casa dos pais do Jorge, meus futuros sogros, segui pela televisão a manif do Terreiro do Paço em que o Almirante Pinheiro de Azevedo, primeiro-ministro do VI Governo Provisório, interrompido no seu discurso pelo rebentamento de duas granadas, exclamou: “É só fumaça! O povo é sereno!” O PREC estava no auge. Depois da invasão e saque da Embaixada de Espanha, o céu era o limite.


* Memórias 1975-2001

Sem comentários:

Publicar um comentário