terça-feira, 25 de dezembro de 2012

A Noite de Natal de Sophia


Era uma vez uma menina rica, chamada Joana. Apesar de ser rica, Joana não tinha ninguém para brincar. Um dia, viu passar um rapaz pobre e pensou que seria um amigo perfeito…ficaram amigos!

Na noite de Natal, Manuel, o rapaz pobre, não recebia presentes, por isso Joana foi dar-lhe três dos seus presentes, que tinha recebido.

Quando chegou ao pinhal, percebeu que não sabia onde ficava a cabana onde Manuel vivia. Mas olhou para o céu e viu uma estrela e resolveu segui-la. Pouco depois, encontrou Três Reis do Oriente que também a seguiam. Quando chegou à cabana, viu Manuel e ao seu lado estavam um burro e uma vaca como no presépio em Belém.

Publicado em Portugal pela Figueirinhas, faz parte do Plano Nacional de Leitura, tal como quase a totalidade da sua obra. Foi escrito em 1959 e publicado no ano seguinte. Para além da escrita conta ainda com as fantásticas ilustrações do Júlio Resende.


"Passaram muitos dias, passaram muitas semanas até que chegou o Natal.

E no dia de Natal Joana pôs o seu vestido de veludo azul, os seus sapatos de verniz preto e muito bem penteada às sete e meia saiu do quarto e desceu a escada.

Quando chegou ao andar de baixo ouviu vozes na sala grande; eram as pessoas crescidas que estavam lá dentro. Mas Joana sabia que tinham fechado a porta para ela não entrar. Por isso foi à casa de jantar ver se já lá estavam os copos.

Os copos passavam a sua vida fechados dentro de um grande armário de madeira escura que estava no meio do corredor. Esse armário tinha duas portas que nunca se abriam completamente e uma grande chave. Lá dentro havia sombras e brilhos. Era como o interior de uma caverna cheia de maravilhas, e segredos. Estavam lá fechadas muitas coisas, coisas que não eram precisas para a vida de todos os dias, coisas brilhantes e um pouco encantadas: loiças, frascos, caixas, cristais e pássaros de vidro. Até havia um prato com três maçãs de cera e uma menina de prata que era uma campainha. E também um grande ovo de Páscoa feito de loiça encarnada com flores doiradas.

Joana nunca tinha visto bem até ao fundo do armário. Não tinha licença de o abrir. Só conseguia que a criada às vezes a deixasse espreitar entre as duas portas.

Nos dias de festa, do fundo das sombras do interior do armário saíam os copos. Saíam claros, transparentes e brilhantes tilintando no tabuleiro. E para Joana aquele barulho de cristal a tilintar era a música das festas.

Joana deu uma volta à roda da mesa. Os copos já lá estavam, tão frios e luminosos que mais pareciam vindos do interior de uma fonte de montanha do que do fundo de um armário. As velas estavam acesas e a sua luz atravessava o cristal. Em cima da mesa havia coisas maravilhosas e extraordinárias: bolas de vidro, pinhas douradas e aquela planta que tem folhas com picos e bolas encarnadas. Era uma festa. Era o Natal.

Então Joana foi ao jardim. Porque ela sabia que nas Noites de Natal as estrelas são diferentes."

Sem comentários:

Publicar um comentário