quinta-feira, 18 de outubro de 2012

1º Parágrafo: Jogos da Idade Tardia


Na manhã de 4 de Outubro, Gregorio Olías levantou-se mais cedo do que habitualmente. Tinha passado uma noite confusa, e pelo amanhecer acreditara sonhar que um mensageiro com uma tocha aparecia na porta para lhe anunciar que o dia da desgraça tinha chegado por fim: “Levanta-te, pinguin, que os tambores já se ouvem aqui perto!”, disse-lhe. Olhou o quarto envolto em penumbra e imediatamente, derrotado pela ilusão de estar a sonhar acordado, voltou a fechar os olhos. “Ora, ainda é tarde para fugir”, respondeu naquele estado de sonolência, e embora por um momento se tenha considerado a salvo, adivinhou em seguida que se continuasse a prosseguir no absurdo acabaria por encontrar nele as leis lógicas que o aparentavam com a realidade. Então reuniu forças para dizer, “Estou perdido”, e acrescentou, “perdido na selva amazónica com uma caixa de sapatos e uma navalha de várias lâminas”, e compreendeu novamente que estava a erguer um parapeito de urgência para se defender das ciladas do mundo. Mas as palavras deviam ter perdido as suas propriedades mágicas. Para o confirmar, disse em voz alta, “penibán”, e ficou atento, para escutar os efeitos de uma declaração tão formidável. Não aconteceu nada: nem sequer as velhas coisas de sempre, com os seus ilustres nomes de sempre, levantaram o mais ínfimo protesto contra a irrupção do intruso. Um relógio bateu as oito, e o tempo ameaçou então recuperar o seu sentido linear.


* Tradução de Egito Gonçalves

Sem comentários:

Publicar um comentário