quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Livro de Setembro: "Nunca Me Deixes", Kazuo Ishiguro

Amanhã explico-vos porque escolhi "Nunca Me Deixes", de Kazuo Ishiguro, para a leitura conjunta do mês de Setembro aqui no blog. Dou-vos tempo para o procurarem nas vossas bibliotecas ou para o comprarem na livraria mais próxima. 

Mas esta noite deixo-vos apenas com o retrato do escritor nipo-britânico, pintado por Peter Edwards para a Nacional Portrait Gallery, em Londres. E com um pouco da história deste momento. 


Escreve o autor:

"Imaginei que seria como foi com Luís XIV: estaríamos sentados num salão enorme, inundado pelo sol, a posar e pintar três dias de seguida. (...) Mas a primeira sessão foi uma experiência algo enervante. Peter tirou todo o tipo de fotos de mim, desde um 'close-up' do meu pulso até outro do meu tornozelo. Estava como que num mundo só seu, murmurando para com os seus botões e a olhar fixamente para partes várias do meu corpo. Foi mais ou menos como uma autópsia."

Escreve o pintor:

"Eu quase senti que estava a avançar para este retrato como se fosse um livro. À medida que o ia construindo ia como que tentando imitar a forma como Ishiguro escreve os seus meticulosos romances. E o que verão, frente ao quadro, muito mais do que olhando apenas para uma reprodução, são todas as muitas camadas que tem e a forma como a textura foi surgindo, como nunca fiz em outro retrato."

Continua Ishiguro:

"A tinta no meu retrato tem camadas tão grossas que o seu relevo é realmente montanhoso. Mas quando se recua um passo tudo parece encaixar como se numa fotografia. Algumas pessoas já disseram que o meu estilo de escrita é um pouco assim. Complicada quando se analisa ao detalhe, mas aparentemente muito simples à superfície."



Se isso vos diz alguma coisa já sobre "Nunca Me Deixes"...
Amanhã direi mais.


Sem comentários:

Publicar um comentário