sábado, 23 de junho de 2012

Poema à noitinha... Ana Salomé

ode do fim da paixão

agora que a paixão se demoveu de ti
são poucas as notícias que te trago.

as palavras bem podem ser
pequenos papéis atirados ao chão.
se o vento as levantar é porque ainda
haverá um livro de poemas
nas pontas dos dedos a ferir o espaço
para um último batimento.

deixaste-me assim com a paixão rápida
o funeral e os pássaros nos ramos
a aprender asneiras e as marchas de séculos
anteriores. recusaste um coração
a cercania das mãos
a destapar o rosto oculto.

agora é tarde
os poemas são vedações de florestas
que não podem crescer mais.
sem árvores o vento não sopra
e é pouco o que chega até ti.

in Odes, Ed. Canto Escuro


*na foto: Ana Salomé - retirada deste link: http://quintasdeleitura.blogspot.pt/2010/03/ontem-noite-poe-cassete-da-tempestade.html (blogue do ciclo poético do Teatro Campo Alegre, Porto)


Sem comentários:

Publicar um comentário