segunda-feira, 13 de setembro de 2010

A. M. Pires Cabral

Dois poemas vos deixo:

A andorinha ou Tudo é relativo

'Da andorinha dificilmente se dirá
que é um animal feroz. Pelo contrário,
convém-lhe adjectivos como grácil.

Mas a grácil andorinha abre
para o mosquito uma boca aterradora.'


Velha entrevada

'Aquele que não conhece a doença
nem o progresso nem o desfecho dela
mal saberá que mal alumiado
poço de angústias é uma velha entrevada
disposta em cama de palha
que não lhe retarda - antes fomenta -
a podridão,

na esperança e no terror
de que tudo acabe em breve.'

Sem comentários:

Publicar um comentário